PT | EN
 
   
 
   
 

Nos últimos anos foram introduzidas várias modificações no processo de incubação. As incubadoras ganharam automatização de processos (como a viragem automática e o controlo de humidade), monitorização por computador, entre outros melhoramentos tecnológicos. Houve também uma grande consciencialização de que a incubação artificial tem muitas vantagens no controlo de doenças das aves. Para atingir bons resultados na incubação artificial, é necessário um adequado manuseamento dos ovos e uma boa utilização da incubadora.

1. ANTES DE INICIAR A INCUBAÇÃO
Para cada tipo de aves (domésticas ou exóticas) existem condições específicas de incubação, nomeadamente, temperatura, humidade e dias de incubação.
Recomendação para uma sala de incubação
A sala de incubação é um espaço confinado à utilização de uma incubadora. Atendendo que o ambiente deste espaço tem um efeito considerável na taxa de eclosão, recomenda-se o controlo da temperatura ambiente onde irá funcionar a incubadora. Deve existir pouco ruído e vibração nas imediações e a temperatura deve manter-se entre os 20°C – 25°C (68-77°F) com poucas variações.
Convém ter uma especial atenção quando existem grandes amplitudes térmicas, ou seja, quando a temperatura nocturna baixa subitamente comparativamente com a temperatura diurna. Se esse for o caso, verifique a temperatura frequentemente e não se esqueça que a incubadora não deve ser alvo de exposição solar durante as horas do dia.
     
  Os ovos antes de serem incubados também devem ser mantidos em condições óptimas: temperatura entre 12 e 15°C e humidade entre 60 e 75%.
 
Ovos para incubação
Seleccionar ovos para incubação
Um ovo está apto para incubação quando este estiver fecundado, mas isso não implica que todo o ovo fecundado possa ter sucesso. O resultado da incubação pode diferir consoante as condições do ovo. Para que seja um bom ovo para incubar as aves progenitoras têm de estar em boas condições de nutrição e saúde. Após a ave pôr o ovo, este deve ser colocado na incubadora até 7-10 dias. Deverão ser conservados em local apropriado a uma temperatura entre os 12 e os 15°C, humidade relativa ideal de 70% e deve ser evitada a exposição solar directa antes de se iniciar a incubação.


Os ovos devem ser seleccionados também pelo aspecto. Tem de se evitar incubar os ovos que tenham a casca rachada ou que foram picados, estejam sujos ou manchados de sangue, mal formados ou enrugados, ou que tenham forma e tamanho anormal.
     
  Não coloque ovos com fendas a incubar, pois a probabilidade de apodrecerem devido à proliferação de bactérias é grande.
  Deve evitar sempre o acasalamento entre irmãos, para diminuir a probabilidade de má formação.
  Para conseguir obter um maior número de ovos por ave, retire os ovos diariamente. Assim, as aves não entram em choco e iniciam nova postura alguns dias depois.
  Verifique a data em que o ovo foi posto.
  Uma galinha em postura ainda pode pôr ovos férteis durante 10 a 15 dias após a retirada do macho.
 
Esterilização dos ovos para incubação
Em condições naturais os ovos estão frequentemente sujos com excrementos. Caso estes sejam utilizados desta forma poderá haver contaminação dos ovos devido à criação de bactérias. Por isso, aconselha-se a esterilização dos ovos contaminados com um elemento esterilizador (Aconselhamos a utilização do IPOCLOR. Veja mais na categoria de limpeza e desinfecção).

     
  O mais correcto a fazer antes de cada incubação é a desinfecção/esterilização dos ovos e da incubadora.
  É muito importante ter as mãos limpas para pegar nos ovos que se colocam na incubadora, pois estas têm muitas bactérias que se podem desenvolver e afectar o processo. A temperatura da água deve estar semelhante à temperatura do ovo para evitar choques térmicos.
  Aconselham-se bons produtos desinfectantes para o processo de esterilização dos ovos, da incubadora e das mãos.
 
2. CONDIÇÕES DE INCUBAÇÃO ARTIFICIAL
Para cada tipo de aves (domésticas ou exóticas) existem condições específicas de incubação, nomeadamente, temperatura, humidade e dias de incubação.
Dias de incubação e temperatura recomendada (aves)
 
GALINHA

pato

codorniz

faisão

f. dourado

ganso

peru

pavão
Dias 21 28 17 23 23 30 28 28
TeMperatura 37.5°C
(99.5°F)
37.5°C
(99.5°F)
37.7°C
(99.5°F)
37.7°C
(99.5°F)
37.5°C
(99.5°F)
37.5°C
(99.5°F)
37.5°C
(99.5°F)
37.5°C
(99.5°F)

Dia de incubação e temperatura recomendada (papagaios)
 
MACAU

CACATUA

AMAZONAS

Passaros do amor

Cinza AFRICANO

FALCÃO
Dias 26-28 30 24-29 22-24 28 32
Temperatura 37.1°C–37.2°C
(99.0°F)
37.1°C–37.2°C
(99.0°F)
37.1°C–37.2°C
(99.0°F)
37.1°C–37.2°C
(99.0°F)
37.1°C–37.2°C
(99.0°F)
37.1°C–37.2°C
(99.0°F)

     
  Atenção! O utilizador tem de ter cuidado no que diz respeito a descidas de temperatura dos ovos mesmo quando está a proceder à sua inspecção. As descidas de temperatura numa fase inicial da incubação afectam o desenvolvimento do embrião, interferindo directamente nos resultados finais de nascimentos.
 
Humidade relativa do ar adequada para a incubação artificial
A humidade da incubação pode ser dividida por fases: fase inicial, fase de desenvolvimento e fase final. Contudo, é mais comum a sua divisão entre humidade no início da incubação e humidade na fase final que corresponde a 2/3 dias antes da eclosão.
- Não há grande diferença na humidade entre a fase inicial e a fase média por isso a humidade poderá ser a mesma. A maior parte das aves requer humidade mais elevada, cerca de 65% na fase final da incubação, o designado período de eclosão.
- A humidade recomendada para a fase inicial e média são as seguintes:
 
a) Aves: 40-50% humidade relativa
b) Papagaios: 35-45% humidade relativa
c) Aves aquáticas: 45-55% humidade relativa
A humidade deve estar com valores mais elevados no período de eclosão para prevenir que a camada fina que envolve o embrião não seque ou se torne mais dura.
Por conseguinte, é melhor não abrir a tampa da incubadora quando os ovos começarem a eclodir. A abertura da incubadora provoca a descida repentina da humidade, sendo que a sua recuperação será lenta e demorada afectando o nascimento neste período.
     
  Atenção! Por favor consulte manuais especializados para mais informação sobre condições adequadas de incubação.
  Atenção! Incubações em ambiente seco originam baixas percentagens de eclosão. Os embriões ou morrem entre o 16º e 19º dia, nascem pequenos, mal formados ou presos à casca, pois as câmaras de ar são demasiado grandes.
 
3. A INCUBAÇÃO
Com o início da incubação recomenda-se também a inspecção aos ovos, para verificar a respectiva evolução.
É importante nesta fase conferir se a viragem dos ovos está a acontecer correctamente. Tem de se verificar o desenvolvimento com a ajuda, por exemplo, de um mira ovos e retirar os ovos que possam não estar a evoluir.
Viragem dos ovos
Quando os ovos estão a incubar, ambas as pontas estão fixas.
Se o ovo estiver posicionado sem movimentação, o embrião irá ser pressionado para baixo e poderá comprometer o seu desenvolvimento ou poderá dar origem a um pinto com mal formação devido à rotação insuficiente no período de incubação.
O período em que os ovos devem ser virados é geralmente de 1-2 horas, para a maioria das aves, e a sua rotação deverá ser realizada num ângulo de 90 a 180°. Contudo, em comparação com as aves, os pássaros com curta maturação como os papagaios, necessitam de um maior ângulo de rotação. A viragem dos ovos deve terminar 2 a 3 dias antes da sua eclosão.
     
  Os ovos que vão ser incubados também devem ser virados para melhor conservação, ou seja, antes de serem colocados dentro da incubadora.
  A viragem dos ovos é importante para que não exista aderência do embrião à casca. Se a sua incubadora não fizer a viragem automática, tem de realizar manualmente.
 
Processo de desenvolvimento dos ovos e inspecções (ovoscopia)
Ovos que tenham pequenas rachas devem ser retirados visto que poderão ter mau cheiro e serão mais permeáveis à contaminação por bactérias, ou seja, estes ovos acabarão por contaminar os outros. Para efectuar a ovoscopia, recomenda-se a utilização de Mira Ovos de Alta Intensidade ou equivalente.
2º dia após o início da incubação: Começa a formar-se a cabeça juntamente com os olhos, o coração e os vasos sanguíneos.
4º dia: O cérebro é dividido, o coração torna-se muito maior e os vasos sanguíneos ficam bem abertos.
6º dia (1ª inspecção): As veias sanguíneas têm o aspecto de uma aranha. As asas e os membros começam a aparecer. O cérebro e os olhos tornam-se claros. O embrião começa a mover-se.
8º dia: O cérebro fica completamente formado. O pescoço torna-se maior e as asas e as pernas separam-se.
10º dia: As asas e as pernas são separadas completamente do resto do corpo. Formam-se os pés e as penas começam a crescer.
12º dia (2ª inspecção): As veias sanguíneas ficam ainda mais espessas. O embrião torna-se muito maior e começa a ouvir pela primeira vez. As penas continuam a crescer. Se as veias sanguíneas não forem visíveis ou se não houver movimentação do embrião, poderá tratar-se de um ovo cujo desenvolvimento parou.
14º dia: Cabeça baixa em direcção ao tronco, a parte traseira é dobrada para a esquerda, de modo a que a cabeça fique virada para a câmara de ar. As penas cobrem todo o corpo e a cabeça.
16º dia: Visto que a cabeça se move para baixo da asa direita, ele fica numa boa posição para eclodir.
18º dia (3ª inspecção): O embrião tem um aspecto escuro excepto numa pequena câmara de ar. A quantidade de líquido amniótico diminui e o pinto prepara-se para a eclosão. A viragem deve ser desactivada.
19º dia: A câmara de ar torna-se muito maior e a gema permanece no corpo. O pinto vai na direcção da câmara de ar e começa a respirar com os pulmões.
20º dia: A gema é absorvida completamente pelo corpo e torna-se alimento para dois a três dias após a incubação.
21º dia: O pinto começa a bicar a casca do ovo, empurra-a e vira-se para a partir toda. Este processo demora cerca de 12h. Se houver pouca humidade o processo pode ser muito difícil para o pinto.
     
  A ovoscopia tem como objectivo diferenciar ovos estéreis, embriões mortos, evolução da câmara de ar e analisar o processo de desenvolvimento do embrião.
  Inspecções frequentes podem causar danos na incubação.
  Durante o dia, faça a inspecção numa sala escura.
 
     
  Durante a inspecção dos ovos, a temperatura ambiente é mais baixa do que na incubadora pelo que é aconselhável fazer a inspecção dos ovos num compartimento aquecido. Ter o cuidado em não causar qualquer tipo de impacto nos ovos.
  Durante a ovoscopia se não forem visíveis veias sanguíneas ou o embrião, trata-se de um ovo não fecundado, pelo que deverá ser removido da incubadora.
  Em casca escura ou espessa poderá ser difícil proceder à inspecção dos ovos, sendo assim, recomendamos a utilização de um mira-ovos de alta intensidade
 
4. PÓS-NASCIMENTO
Nesta fase tem de haver uma preocupação com os primeiros dias de vida das aves dependendo de cada espécie. Devem ser dadas as condições perfeitas de calor, alimentação e espaço. É muito importante que a criadeira esteja limpa e desinfectada, para acolher as novas crias impedindo a proliferação de microrganismos.
Desenvolvimento
Por desenvolvimento subentende-se o processo através do qual um pinto respira através dos seus pulmões pela primeira vez, depois de ter passado por uma câmara de ar e de ter saído da casca.
No caso de aves de crescimento lento, como os pintos, devem repousar na incubadora durante 24h depois da eclosão até as penas ficarem completamente secas. Eles dormem sem haver necessidade de serem alimentados. Em seguida, eles devem passar para a criadeira ou um outro espaço com condições apropriadas, sendo alimentados com água e comida adequada. No caso de aves de maturação recente (aves que tenham nascido sem penugem), devem ser alimentadas directamente (com uma dieta de desmame) e deixá-los crescer numa criadeira específica e com controlo do nível de temperatura e humidade até que eles comam por eles próprios. Para estas crias valiosas recomenda-se criadeiras especializadas (ver mais na categoria Criadeiras Aves Exóticas)
Nos primeiros dias deve ser preparado um local com luz e calor por forma a manter a temperatura entre os 30 e os 34°C. Ao longo das semanas deve ser reduzida a temperatura gradualmente para ir adaptando as crias ao meio ambiente. No caso de aves de maturação curta como os papagaios, continue a alimentá-los com uma dieta de desmame num intervalo de 3h e mantenha o espaço sempre limpo. Espalhar serradura ou pedaços de papel no chão pode prevenir a contaminação do compartimento.
     
  É preferível usar uma criadeira de aves especializada como a Rcom BIRD BROODER para a criação de aves exóticas.
  Tenha o cuidado de consultar criadores profissionais ou peritos na criação de papagaios visto não ser um processo fácil para um principiante.
  A maioria das aves, por sofrerem de polifagia, comem todo o tipo de grãos, vegetais e insectos. Contudo, para os pequenos pintos, durante o período em que estão na criadeira, é aconselhável alimentá-los com comida específica para a sua idade
  Os pintos morrem caso fiquem molhados pois a temperatura corporal desce repentinamente. Para prevenir esta situação, o criador deve ter o cuidado de utilizar um recipiente da água adequado (bebedouros de primeira idade).
 
Manutenção da incubadora
Dentro da incubadora utilizada na eclosão vai haver condições propícias para a propagação de bactérias devido à casca dos ovos, penugem dos pintos e outros resíduos do ovo. Por este motivo, as zonas electrónicas e aparelhos de aquecimento devem ser bem limpos e secos. Remova o pó do quadro electrónico e dos sensores com uma escova macia.
A parte interior da incubadora deve ser limpa com um pano ou uma folha de papel humedecida com uma solução de desinfectante (Aconselhamos a utilização de pastilhas Klorkleen. Veja mais na categoria de limpeza).
 
5. ALIMENTAÇÃO DAS AVES
Antes da eclosão, os pintos absorveram a gema e portanto podem ficar um dia sem qualquer outro alimento. Nos próximos três dias podem ser alimentados com pó de ovo cozido. Depois destes dias devem começar a digerir vegetais cortados.
Deve dar-se água e trocá-la com frequência, para que se mantenha limpa, de modo a que os pintos não fiquem com quaisquer doenças.
 
     
  Podem alimentar-se codornizes, faisões, faisões dourados, e faisões de prata como pintos.
  Os patos, gansos e gansos selvagens são omnívoros, podem ser alimentá-los com qualquer coisa.
  Os papagaios comem todos os tipos de sementes, vegetais e frutas.
  As aves bebés precisam de uma fonte de calor externa nos primeiros dias de vida, pois não possuem um mecanismo termorregulador da própria temperatura.
  Para evitar o canibalismo entre as aves pequenas (faisões, perdizes, etc.), tem de lhes fornecer esconderijos e poleiros para descanso (verduras, ramos, folhagem, etc.). E ainda proporcionar-lhes um aquecimento sem iluminação, como o das lâmpadas em cerâmica.
  Tenha sempre comedouros e bebedouros com cores vivas, como o vermelho e o amarelo, pois as aves são atraídas pelas cores.
  Ao utilizar bebedouros automáticos, as aves têm sempre água limpa e não há desperdício de água.
  Se tem aves enérgicas e activas tenha atenção, pois normalmente consomem mais comida que o habitual.
 
6. PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE INCUBAÇÃO
Aqui estão descritos alguns dos problemas mais comuns na incubação e como os resolver.
FAQs – Perguntas frequentes
Problemas
  Baixa taxa de eclosão
  Causas Possíveis
 
1. Quando o ovo é um ovo não fecundado;
2. Os ovos foram infectados por germes;
3. Erros nas definições da incubação;
4. Condições de saúde das aves progenitoras
5. Falhas na viragem dos ovos
  Resolução
 
1. Verificar a origem do ovo e sua proveniência;
2. Desinfectar a incubadora;
3. Verificar as definições da incubação, nomeadamente, no que respeita a temperatura;
4. Rever cuidados de saúde da ave progenitora;
5. Verificar se a viragem dos ovos ocorre dentro do normal;
   
  Um pinto nasce antes do previsto ou um pinto nasce com deformações
  Causas Possíveis
 
1. A temperatura está demasiado elevada;
2. A viragem dos ovos não decorreu de forma normal
  Resolução
 
1. Baixar a temperatura da incubadora cerca de 0,5°C (1°F)
2. Verificar se a função de virar os ovos está OFF/desligada
   
  Um pinto nasce mais tarde do que o previsto
  Causas Possíveis
 
1. A temperatura está demasiado baixa
  Resolução
 
1. Aumentar a temperatura da incubadora cerca de 0,5°C (1°F)
   
  As datas da eclosão variam de ovo para ovo
(as crias não nascem todas ao mesmo tempo mas durante um longo período de tempo)
  Causas Possíveis
 
1. Os ovos foram guardados por longos períodos de tempo;
2. Diferentes temperaturas de incubação
  Resolução
 
1. Definir prazos de armazenamento dos ovos de forma apropriada
2. Verificar diferenças de temperatura na incubadora (luz solar, temperatura da sala  de incubação, etc.)
Como proteger ovos em incubação, caso haja corte de corrente
Caso a energia eléctrica seja cortada e volte num prazo de 2 a 3 horas, não irá haver grandes efeitos na incubação dos ovos, desde que a sala de incubação esteja num ambiente controlado. No entanto, caso a incubação pare devido a mau funcionamento da incubadora, deve adoptar-se como medida temporária, um cobertor para cobrir a incubadora de forma a que a temperatura estabilize o mais possível. De seguida, deverá contactar com urgência o fabricante ou revendedor da incubadora e solicitar assistência técnica.